Com bronca do VAR, Vadão lamenta derrota para Austrália e foca partida com a Itália no Mundial Feminino

251

Foto: Getty Images 

Depois de abrir o marcador com Marta e Cristiane, a Seleção Feminina deixou escapar a chance da vitória e perdeu de virada para Austrália por 3 a 2, pela segunda rodada da Copa do Mundo de Futebol Feminino na França 2019. Com resultado, o Brasil permanece com três pontos conquistados na vitória diante da Jamaica, no grupo C. O jogo foi realizado nesta quinta-feira, 13/6, no estádio de Mosson, em Montpellier.

Na última rodada da fase classificatória, as meninas do Brasil enfrentam a Itália, precisando da vitória para garantir matematicamente a classificação para próxima fase da Copa do Mundo. A partida será realizada na próxima terça-feira, 18/6, às 12h (13h de Brasília), no estádio du Hainaut, na cidade de Valenciennes.

De Montpellier, o treinador da Seleção Feminina, Vadão, disse ao SportsManaus, que o time foi bem e teve chances de sair com outro resultado. Ele aproveitou para fazer uma análise da parida, mas lamentou as fatalidades que aconteceram em campo.

– Nós tivemos tudo para ter outro tipo de resultado, mas infelizmente tivemos dois gols acidentais que tomamos no segundo tempo em duas bolas despretensiosas cruzadas na área que acabou atravessando e entrando. Diferentemente quando o time é envolvido pelo adversário, e o mesmo trabalha em cima de passes de pé em pé, infiltra com facilidade na sua defesa e estão para virar um jogo, onde não foi o caso, mas minha análise foi essa: fizemos um primeiro tempo brilhante, o segundo não mantivemos o ritmo, mas mesmo assim, nada que comprometesse o fato de ter tomado uma virada – explicou, mas lamentou ter perdido suas principais jogadoras.

Austrália venceu de virada o Brasil pela segunda rodada do mundial (crédito: Getty Images)

– Nós perdemos a Marta e a Formiga no intervalo, e posteriormente, a Cristiane, mas no final. A saída da Marta já era mais ou menos prevista, dentro das condições físicas e das lesões que ela tinha sofrido e nós entendemos que no intervalo era um bom momento. Não foi o caso da Formiga, que teve uma torsão de tornozelo, e lá na frente depois a Cristiane, já demonstrava um cansaço muito grande, porque ela vem de várias contusões. Na verdade, tivemos três mudanças por motivo físico e clinico.

Um dos lances que poderia mudar a história da partida ocorreu no final do segundo tempo, a jogadora Andressa Alves foi visivelmente empurrada, mas a árbitra Esther Staubli, mesmo alertada pela equipe do VAR, sequer foi ao monitor para ver a jogada com mais precisão. Para Vadão, outros lances também deixaram de ser analisados como deveria.

– Não tenho dúvida que houve um erro de comunicação do VAR. Nós tivemos um lance que foi sinalizado impedimento no terceiro gol que levamos, mas o VAR entendeu que a árbitra teria que olhar e tomar uma decisão, porque segundo aquilo que foi analisado, a atleta que estava impedida, não atrapalhou nossa zagueira que resvalou a bola e acabou sendo um gol contra. Se fosse ver com certo rigor, na imagem ela tromba com a outra zagueira e pode ter interferido na visão da goleira, não no cabeceio da Monica, mas na trombada na segunda zagueira, o que pode ter interferido na visão da goleira, mas a arbitra tomou a decisão que não interferiu e deu o gol. Agora o VAR não chamar a arbitra para verificar um lance tão claro e polemico no final do jogo, em que o VAR já tinha atuado, favorecendo obviamente a Austrália, não favorecendo injustamente, mas dentro de um critério de avaliação, eu acho que no mínimo o VAR teria que ter chamado a árbitra para ela sim, decidir como ela decidiu o lance nosso e decidiu o lance na área do adversário, porque o pênalti foi claríssimo.

Sabendo que a partida com a Itália irá decidir o futuro do Brasil, na Copa do Mundo, o treinador disse que agora é esquecer a partida e pensar no próximo compromisso, pois vai definir a sequência da equipe no mundial.

– Lógico, isso tem que ser esquecido, nós falamos na oração após o jogo. Infelizmente houve esses equívocos, mas a gente tem que esquecer e não tem como voltar atrás. O VAR não vai olhar e dizer ‘volta o pênalti’ e vamos bater amanhã, isso já passou, já perdemos o jogo, justo ou não perdemos. Temos que esquecer e pensar no jogo da Itália e pensar em vencer para nos classificarmos – justificou.



Paulo Rogério

I live in Brazil, in the city of Manaus, which hosted 2014 World Cup matches, the Olympic 2016 men's and women's football tournament. I'm Paulo Rogério Veiga, 51, a reporter, journalist and owner of sports portal www.sportsmanaus.com.br. I would like to inform you that I have received material from FIFA for 35 years, in addition to Conmebol and UEFA. I have also been editor of globoesporte.globo.com/am/ portal. I am working as a press and publicity advisor to leverage your company, product, brand, your soccer career, whether player, coach, club, manager, any professional that Works and conducts business in football. I am a professional / base player agent and a soccer coach. I have contact with agents, international agencies, academies, intermediaries, scoutings, among others in Brazil and in world football, including with signed contract. Another work I do is to attract potential investors to sponsor clubs in Brazilian football, which seek to gain their place in the regional, national and even international scenario. Contact us. E-mail: paulo.imprensa@hotmail.com pauloimprensa@gmail.com Contact: +55 (092) 3629-0651 (office) +55 (092) 99171-9226 (live / watsapp). Leia mais em sobre o editor clicando aqui.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.