SportsManaus
ESPORTE AMADOR

Sul América empata no tempo normal, vence Operário nos pênaltis e conquista o bi da Copa Metropolitana

Depois do empate no tempo normal em 0 a 0, o Sul América venceu o Operário na cobrança de penalidades por 5 a 4, conquistando o bicampeonato da 3ª edição da Copa Metropolitana de 2019. No duelo entre interior e capital e das equipes invictas na competição, a grande final foi realizada na noite deste sábado, 13/7, no estádio Gilberto Mestrinho, o Gilbertão, na cidade de Manacapuru (a 68 km da capital). A competição é uma realização da Liga Regional Desportiva da Amazônia (Lirdam).

A Copa Metropolitana foi realizada durante quatro meses, com a participação de oito equipes, sendo quatro da capital e as demais do interior do Amazonas. O destaque do evento foi Rafael Costa (Sul América). Mas o Operário, teve o goleador Glyson, com seis gols e o melhor goleiro, Antony, na competição.

Com cinco jogos, sendo três empates e duas vitórias, o treinador Marcelo Galvão, ressaltou a invencibilidade da equipe. Ele considerou o resultado justo, mas afirmou que a Copa serviu de preparação para o Campeonato Amazonense Sub-19, que chega na reta final esse mês.

Treinador do Sulão disse que competição serviu de preparação para o Campeonato Amazonense (crédito: Paulo Rogério)

– Nós disputamos essa competição, principalmente para ganhar rodagem para o Amazonense. A garotada está de parabéns, é um grupo experiente, que jogam algum tempo, foram campeões de outras competições e já jogaram fora. Sabíamos que iriamos encontrar um adversário difícil, quando disseram que a final seria em Manacapuru, disse que não haveria nenhum problema, pois um grupo vencedor não escolher local”, comentou.

Oriundo do infantil do Fast, o meia Ramon, 19, há dois anos no Sul América, teve o prazer de sentir o gosto do bicampeonato. Marcando quatro gols na campanha do time, ele fechou a cobrança de penalidades marcando seu gol.

Mateus Silva lamentou a perda do título do Operário, depois de cinco vitórias na Copa (crédito: Paulo Rogério)

– Só tenho que agradecer a Deus por esse momento, mesmo nervoso e afoito. Nós fizemos um trabalho bom no decorrer da competição e chegamos na final com garra e vontade. Tínhamos esse detalhe do título do ano passado, mas jogamos para vencer e ainda bem que conseguimos pela segunda vez ser campeões”, finalizou.

Em sua terceira temporada no Operário, o treinador Mateus Silva, lamentou o resultado, pois o elenco em seis jogos, venceu cinco partidas e empate apenas uma, justamente a final que culminou na derrota nas penalidades.

– Pênalti é loteria, como disse para meus atletas, o goleiro pode estar em um bom dia e as vezes não acontece como queríamos. Só a questão da perfeição fez a gente pecar hoje no resultado na decisão. Tivemos cinco jogos invictos, mas na final para consagrar toda campanha que fizemos, infelizmente perdemos, mas é assim mesmo, se vive de vitórias e derrotas – disse.

Marcação forte dos jogadores do Operário em cima do atletas do Sulão (crédito: Paulo Rogério)

Outras postagens...

No Dia Olímpico, COB divulga ampliação do programa Esporte Seguro para Tóquio 2020

Paulo Rogério

Maior evento de base da vela brasileira define campeões no RJ

Paulo Rogério

Com Avancini sendo decisivo, Brasil recebe Copa do Mundo de MTB

Paulo Rogério

Leave a Comment

العربية简体中文EnglishFrançaisDeutsch日本語PortuguêsEspañol