SportsManaus
FUTEBOLFUTEBOL AMAZONENSE

Sobre o Humaitá-AC no estadual, técnico do Amazonas afirma: “É uma vantagem, mas a gente tem que superar”

Amazonas vive a expectativa de entrar em campo em sua primeira competição nacional

Foto: Jadison Sampaio/AMFC

Falta pouco para o Amazonas fazer história em sua primeira participação no Campeonato Brasileiro da Série D. O time da Onça-pintada tem pela frente o Sport Clube Humaitá-AC, também debutante na divisão de acesso. A partida será neste domingo, 17/4, às 18h local, na Arena Acreana, em Rio Branco. O Amazonas está no grupo A1, junto com Náutico-RR, Porto Velho-RO, Rio Branco-AC, São Raimundo-AM e Trem-AP.

No Amazonas, desde o final de março, o jovem técnico Rafael dos Santos Lacerda, 37 anos, comandou o Caxias-RS e Aimoré-RS, ambos na Série D. Para ele, o fato do adversário jogar o regional, pode ser uma vantagem, mas ele acredita também no potencial do grupo no início do Brasileirão.

– Pode ser uma vantagem, a gente sabe que o ritmo de jogo é muito bom. Não dá para comparar de estar jogando, e ficar treinando, enfim, os jogadores muitas vezes para se condicionar fisicamente, tem que estar jogando, mas não dar para a gente ficar arrumando desculpa e se lamentando. É o que a gente tem no momento – explicou ao SPORTS MANAUS, mas ainda frisou.

– É uma vantagem, mas a gente tem que superar isso com muito trabalho, como estamos fazendo no dia a dia. É chegar no dia do jogo muito concentrado. Tem dois lados, ou seja, o Humaitá está com a vantagem de estar em ritmo de jogo, mas nós temos a vantagem de conhecer o adversário. A gente assistiu os últimos três jogos deles. Por outro lado, o Humaitá não vai conseguir muitas informações da nossa equipe – alertou o técnico.

Com pouco tempo de preparação, o comandante da Onça-pintada, mesmo jogando fora de casa, acredita em um bom resultado, apesar de considerar um ponto satisfatório, dependendo das circunstâncias da partida.

– A gente nunca vai entrar no jogo pensando no empate. Um ponto numa competição, assim como é a Serie D, é importante jogando fora. Respeitamos nosso adversário, que provavelmente vai brigar para ser campeão do Acre. Nós temos o entendimento, que temos de ir para o jogo pensando na vitória. Se a equipe vai trazer um ponto, isso o jogo vai dizer – disse, mas ainda completou.

– Temos que buscar a vitória a todo momento. Se o time está em uma situação, que não consegue ter o controle do jogo, ou está sofrendo defensivamente em campo, nós teremos esse discernimento se um ponto vai ser importante. Mas como eu disse, a gente respeita muito a equipe do Humaitá, mas mesmo assim, vamos lá pensando na vitória – contou.

Mesmo não tendo participado da montagem do atual elenco, o treinador afirmou, que isso não será um problema. Segundo ele, a competição é feita de desafios para ser vencido em todos os momentos.

– Essa parte negativa, a gente não pode ficar se lamentando. Não fiz parte da montagem do elenco dos jogadores que ficaram, mas se eu aceitei o desafio de vir. Eu tinha ciência do grupo, que aqui estava e também dos possíveis reforços, que a gente contrataria. Isso é um processo natural dentro do futebol, onde dificilmente um treinador que chega durante o ano vai ter uma troca completa de elenco, pois a ideia não é essa, mas sim aproveitar os jogadores que aqui estão – finalizou Rafael.

 

Outras postagens...

Por falta de recursos, Penarol pode desistir da Série D, mas tem plano ‘B’ de jogar com uma equipe regional

Paulo Rogério

Felipe Melo desencanta, Fluminense aplica ‘passeio’ no Paysandu e encaminha classificação na Copa do Brasil

Paulo Rogério

Na estreia do Brasileiro Feminino A2 com 3B da Amazônia, técnica do Botafogo-PB alerta: “A gente vai enfrentar uma excelente equipe”

Paulo Rogério

Leave a Comment

Este site usa cookies. Isto é necessário para que sua navegação seja mais eficiente. Não coletamos nenhum dado pessoal do seu navegador. Entendi! Leia mais...